A ÚLTIMA XTRAVAGANZA

A festa avançava pela madrugada chuvosa do dia 20 deste mês quando Sharon Needles esticou o salto alto para fora de seu caixão, numa entrada majestosa no palco do Opinião, uma das casas de shows mais tradicionais de Porto Alegre. Com seu estilo sombrio e humor ácido, Needles cantou alguns dos maiores sucessos de seu próprio repertório e agitou o público com discursos criticando a política opressora atual (tanto a norte americana quanto a brasileira). Embalado pelo sucesso do reality show RuPaul’s Drag Race, o evento realizado no final de Maio marcou o fim de uma série de festas que se tornaram sinônimo de diversão com diversidade e expressão de todos os gêneros. A Xtravaganza Drag Party trouxe para a noite porto alegrense diversas estrelas participantes do reality show de maior sucesso na cena drag, divas como Alaska Thunderfuck, Kim Chi, Adore Delano, Acid Betty e outros nomes expoentes no cenário nacional e internacional.

Sharon Needles - Xtravaganza - Allefaerben - 2017

A Xtravaganza marcou a memória e o coração de muita gente que participou na produção, apresentação, performando e prestigiando diversos eventos. Biscuit, The Drag-Cookie lembra com carinho quando em 2015 foi convidada para tocar na edição que contava com Alyssa Edwards, April Carrión, Biblegirl e Pabllo Vittar.

– Desde aquele dia, eu comecei a criar uma relação muito carinhosa com a festa, sempre indo, sempre divulgando e principalmente, me divertindo e conhecendo outras pessoas que assim como eu, amam o que fazem, amam a arte drag. O impacto na carreira vem disso, de aparecer nas festas, conversar com as pessoas e isso é muito legal. Acredito que minhas melhores lembranças são: quando dancei com a Pabllo no palco, minha primeira vez como DJ e minha primeira performance. – relembra Biscuit, The Drag-Cookie. 


Além de oportunizar a estréia da carreira de muitas drags e DJs, a Xtravaganza por sua essência também tornou-se um importante espaço de expressão pela representatividade e livre expressão. León Rojas, um dos principais DJs e performers das diversas edições da Xtravaganza nos relatou o valor deste espaço de diversão e manifestação:

– A Xtravaganza foi a primeira festa a trazer drags internacionais para Porto Alegre. A festa abriu a cabeça de muita gente. Fez pessoas que dificilmente teriam contato com shows drag participarem deste mundo tão incrível e também abriu espaço para os performers locais mostrarem seu trabalho. Estreei meu drag king na Xtravaganza, assim como muitas outras drags, porque era um lugar onde nos sentimos seguros, em casa. Um ambiente acolhedor que valorizava muito nosso trabalho. Fico muito feliz por ter tido espaço apesar de ser um drag king, que ao contrário de queen, performa o gênero masculino. Fui o único drag king a passar pelo palco da festa. Existe muito preconceito com esse tipo de arte e eu acredito que isso seja fruto do machismo. A cena LGBT costuma tentar desconstruir, mas as mulheres ainda tem pouca voz e visibilidade. O que acontece na sociedade e acaba se refletindo também nesses espaços. Sempre busquei fazer performances políticas, que fizessem as pessoas pensarem sobre o papel do homem na sociedade, sobre o que é masculinidade. É só ser machão e reproduzir padrões de homens sexistas? Ou pode ser mais sensível? O León é um homem bem feminino, que traz um lado afeminado e que não deixa de ser homem por isso. Eu vejo a performance como luta, uma forma diferente de gritar por direitos, de evocar questões que não apenas precisam ser discutidas, mas sentidas. Estar num palco como drag king já é impactante, numa posição de destaque faz as pessoas entrarem em contato com o diferente. Existir é um ato político. Existir exatamente como somos, sem tabus.

XTRAVAGANZA

Ouvimos também outro artista que explorou os palcos da Xtravaganza como espaço de luta por respeito e representatividade. Jean Netto nos relatou como foi o glorioso processo de nascimento de Rebeca Rebu, uma das drags que mais trouxe a manifestação contra as diversas formas de opressão social e preconceitos, nos palcos da Xtravaganza.

– A primeira vez que vi drag ao vivo foi na Xtravaganza, e no momento tive certeza do que queria fazer, que era estar naquele palco performando como drag. Então comecei com o glitter, aprendendo e praticando a maquiagem aos poucos, até criar minha personagem e ter a oportunidade de mostrar meu trabalho em várias edições, utilizando aquele espaço para expressar o que sinto politicamente pois acredito que a arte é um elemento essencial e transformador da sociedade. Mas a arte sempre vai acontecer independente dos espaços, até porque as drags criam seu próprio espaço, então não me sinto calada com o fim da Xtravaganza, mas o que vai fazer mais falta para mim é a comunhão, a reunião da maioria das drags da cidade juntas, se divertindo e trocando ideias ali. Juntas nós somos mais forte e juntas aprendemos umas com as outras, existirão outros espaços e estaremos sempre nos organizando para continuar na luta e na arte. Me apresentar com a minha mãe (Rebeca Rebu se refere a sua apresentação emocionante no último evento da Xtravaganza, quando subiu ao palco com sua mãe também caracterizada como drag queen para cantar a música “Como Nossos Pais”) foi muito simbólico no sentido de que muitas pessoas LGBT tem relações conflituosas com suas famílias, então ver uma mãe lá no palco, montada, pode fazer as pessoas acreditarem que é possível, pode ser inspirador. O que ouvi na festa de várias pessoas foi “gostaria que minha mãe também estivesse aqui”, então sinto que fizemos nosso trabalho e plantamos a esperança em quem precisa desta aproximação com a família e mostramos que tudo é possível dentro do mundo drag e todo mundo pode e deveria ter esta experiência de estar montada, é transformador. – Rebeca Rebu ainda finaliza com um apelo ao público: – Não deixem de frequentar os espaços drag da cidade, mesmo quando não há uma RuGirl envolvida. A cena drag gaúcha não fica atrás de nenhuma outra e nós estamos resistindo e existindo aqui.

Allefarben - Xtravaganza - 2017E assim se encerra a Xtravaganza, espaço de diversão e manifestação da arte drag por enquanto, pois antes do encerramento do último evento foram anunciadas novidades para o futuro.

XTRAVAGANZA DRAG PARTY

A ideia de trazer a POA, as Super Estrelas Drags do Reality Norte Americano, acendeu uma “Fogueira” no coração dos Amantes da Arte da Transformação.

A reunião de diferentes Gerações já foi um grande ponto positivo de todas as Noites.

A Experiencia de ter participado, Performando ou Apresentando em oito Edições foi além das minhas expectativas.

Nos aplausos e sorrisos tive a certeza, de que a minha escolha em ser DRAG QUEEN, nunca foi apenas um forma de divertimento e sim a maneira que escolhi, para através da arte da transformação, passar as “Minhas Verdades” e trazer momentos de diversão para quem merece ser Feliz.

Na última edição percebi o quanto a Festa foi importante, tanto no Imaginário quanto no Dia a Dia do seu Público.

Que surjam mais Investidores, Produtores e Visionários para que mais Eventos assim surjam na nossa Cidade.

XTRAVAGANZA DRAG PARTY escreveu seu nome na História e deixará Saudades e o gostinho de quero mais!!!

Charlene Voluntaire

Diva, Vida

Ola!

Nosso especial demorou, mas saiu 😉

É com saudades e alegria que nos despedidos da Xtravaganza e ficamos ansiosos aguardando as novidades que virão para o cenário LGBT de Porto Alegre.

Toda as fotos aqui, foram feitas na noite do evento, 20/05/2017 e caso você não concorde com alguma delas e queria que a retiremos, é só nos enviar um e-mail [email protected].

Felicidades, luz e alegria a todos!
Um Grande Beijo da equipe do Allefarben e Plural RBS.


Texto: Ricardo Nishida
Fotos: Gustavo Visentini